Como assim? Ásia enfrentou outra epidemia de coronavírus há 20 mil anos

Compartilhe

Esta, obviamente, não é a primeira vez que uma doença infecciosa ameaça simultaneamente muitas pessoas pelo mundo. Mas, agora, cientistas fizeram um estudo sobre DNA de humanos e concluíram que uma outra grande epidemia de coronavírus atingiu o Leste Asiático há cerca de 20 mil anos.

Leia também: Como surgem as variantes da COVID-19? e Moeda gruda no braço com a vacina contra a COVID-19?

Foto: iStock

A descoberta foi feita por pesquisadores da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, e da Universidade de Adelaide, na Austrália e publicada no jornal científico Current Biology. O estudo comparou o DNA de mais de 2,5 mil pessoas em 26 populações ao redor do mundo, e a análise foi feita com base nos dados do 1000 Genomes Project.

A ideia não era procurar pelo material genético de um possível vírus pré-histórico, mas sim pelas marcas que ele possa ter deixado no nosso genoma até hoje. A equipe já utilizava essa abordagem com diferentes tipos de vírus e, agora, com a pandemia de COVID-19, passou a investigar se outros coronavírus influenciaram o DNA humano.

Foi assim que os cientistas descobriram que os povos ancestrais do Leste Asiático sofreram de uma doença causada por um vírus semelhante ao da COVID-19. Eles também notaram que a epidemia atingiu áreas que hoje correspondem a China, Japão, Mongólia, Coreia do Norte, Coreia do Sul e Taiwan.

Os vírus fizeram parte da seleção natural dos humanos ao longo da história. Se um deles começa a infectar uma população, aqueles que estão mais vulneráveis à doença têm mais chances de morrer – logo, menos chances de se reproduzir.

Enquanto isso, as pessoas que tiveram alguma mutação aleatória que as torna mais resistentes ao vírus terão mais chances de sobreviver e passar seus genes para frente. Possivelmente, isso fez com que a doença atingisse a população de modo menos grave ao longo do tempo.

Descobrir informações sobre vírus antigos pode ajudar entender que sobre como o genoma de populações humanas ancestrais se adaptou a outros invasores que a gente conhece hoje. Isso ajuda a estudar vírus potencialmente perigosos e desenvolver diagnósticos, vacinas e medicamentos para o seu combate.

Além do SARS-CoV-2, que causa a COVID-19, outros coronavírus provocaram epidemias no último 20 anos. É o caso do vírus da síndrome respiratória aguda grave (Sars), que se originou na China em 2002 e matou mais de 800 pessoas. Outra ocorrência foi a do Mers-CoV, agente causador da síndrome respiratória do Oriente Médio, que matou mais de 850 pessoas, em 2012.

Fonte: Superinteressante e Revista Galileu

Comentários
Posts Relacionados