Crimes cometidos por crianças

Compartilhe

Elas parecem inocentes, mas têm uma mente perversa. As crianças também podem ser cruéis. Nesta matéria, você vai conhecer alguns crimes cometidos por assassinos mirins.

Se interessa por histórias policiais? Relembre o Caso Eloá, que chocou o país em 2008. Também não deixe de ler sobre a menina que era refém de doenças criadas pela própria mãe.

Eric Smith, 13 anos

Foto: Reprodução/YouTube

É possível que um remédio contra epilepsia na gravidez possa causar transtornos no feto que mais tarde se traduziriam em comportamentos violentos? É o que alguns psiquiatras e especialistas americanos se perguntaram durante muito tempo.

Eric Smith era um adolescente quando assassinou Derrick Robie, de 4 anos, em agosto de 1993. O crime aconteceu no condado de Steuben, em Nova York, nos Estados Unidos. Eric ia para um acampamento de bicicleta quando avistou Derrick caminhando sozinho na rua.

Ele atraiu o menino para um parque, onde o estrangulou, jogou pedras em sua cabeça e o violentou sexualmente com um galho. Dias depois, Eric Smith confessou o crime, mas não soube dizer exatamente por que tinha feito aquilo. Mais tarde, o adolescente foi diagnosticado com Transtorno Explosivo Intermitente (TEI).

Eric tinha graves complexos de inferioridade. Ele tinha orelhas dilatadas, era ruivo, usava óculos grossos e tinha sardas por todo o corpo. Por conta disso, sofria bullying na escola.

O criminoso foi condenado por assassinado em segundo grau e segue preso até hoje. Ele já teve diversos pedidos de liberdade condicional negados.

Robert Thompson e Jon Venables, 10 anos

Foto: Reprodução

Também em 1993, a morte brutal de um bebê chocou o Reino Unido. James Bulger, de apenas 2 anos, estava passeando com sua mãe, Denise Bulger, em um shopping na cidade de Bootle, na Inglaterra. Mais tarde, a mulher notou que o filho havia desaparecido e decidiu consultar as câmeras do local.

James havia sido sequestrado por duas crianças. Jon Venables e Robert Thompson, ambos com 10 anos na época do crime, atraíram o bebê e o torturaram com tijolos, pedras, baterias e uma barra de ferro. Depois, os dois arrastaram o corpo do menino até uma linha de trem para fazer com que a morte parecesse um acidente.

O corpo de James foi descoberto dois dias depois. Durante todo o julgamento, Thompson e Venables foram tratados como adultos. Aos 11 anos, os dois foram considerados culpados – o que fez deles os mais jovens assassinos condenados do século XX.

Em 2001, eles foram soltos com regras bem duras de condicional e ganharam novas identidades. Jon Venables voltou a ser preso depois, por posse de imagens de abuso infantil.

Mary Bell, 11 anos

Foto: Reprodução

Mary Bell tinha apenas 11 anos quando assassinou Martin Brown e Brian Howe, de 4 e 3 anos, respectivamente, no Reino Unido. A menina estrangulou Brown até a morte em 1968. Depois, matou Howe do mesmo jeito com a ajuda de sua melhor amiga. As duas mutilaram o corpo da segunda criança e talharam um “M” em sua barriga.

Bell ficou presa até 1980, quando foi liberada com uma nova identidade. Na década de 1990, em um livro assinado pela biógrafa Gitta Sereny, a assassina revelou que sofreu abusos durante toda a sua infância pela mãe.

Betty, que era uma prostituta usuária de drogas, drogava a filha e tinha o hábito de esfregar o rosto da menina em sua própria urina. Além disso, Mary era obrigada pela mãe a fazer sexo oral em homens, em troca de dinheiro, com apenas 5 anos de idade.

Daniel Bartlam, 14 anos

Foto: Reprodução

Era um domingo de Páscoa quando Daniel Bartlam assassinou a própria mãe em 25 de abril de 2011. O adolescente inglês entrou no quarto de Jacqui com um martelo e a golpeou sete vezes. Para que ninguém descobrisse, Daniel ateou fogo na casa e saiu com o irmão.

À polícia, ele disse que a mãe tinha sido morta por um invasor. Depois, mudou de versão e assumiu a culpa, dizendo que perdeu o controle após uma briga feia com Jacqui. Mais tarde, em seu computador, a polícia encontrou um arquivo que havia sido deletado no qual ele planejou o crime.

No documentário “Crianças que matam”, o padrasto de Daniel, Simon Matters, revelou que o menino tinha paixão por filmes e videogames violentos. Ele também afirmou que o enteado tinha alguns comportamentos esquisitos dentro de casa.

Daniel  Bartlam foi condenado à prisão perpétua e não pode pedir por liberdade condicional antes de chegar aos 30 anos. Segundo a promotoria, o jovem não demonstrou nenhum remorso pelo assassinato. O garoto ainda tentou manipular o júri alegando que Jacqui era uma “mãe ruim”, mas essa versão foi desmentida por conhecidos e familiares.

Graham Young, 14 anos

Foto: Reprodução

Graham Young nasceu em Londres, na Inglaterra, em setembro de 1947. Desde cedo, ele já se interessava por química – especialmente, por envenenamentos. Ainda criança, ele começou a testar substâncias ilegais em gatos. Aos 13 anos, se passava por mais velho para conseguir comprar venenos para suas experiências.

Com essa idade, ele envenenou um vizinho. Aos 14 anos, foi a vez da madrasta, do pai, da irmã e de um casal de amigos da escola. Todos sofreram com fortes dores no estômago, vômito e diarreia. Em 1962, a madrasta de Graham morreu envenenada.

O jovem foi diagnosticado com transtorno de personalidade, esquizofrenia e sinais do espectro autista e enviado para o Broadmoor Hospital – instituição para pacientes com transtornos mentais que cometeram delitos, no qual se tornou o preso mais jovem desde 1885.

Durante seu tempo no Broadmoor Hospital, Graham Young continuou com seus experimentos, usando detentos e funcionários como cobaias. Um dos internos chegou a morrer depois de ser intoxicado. Mesmo assim, ele foi solto após 9 anos de prisão.

Livre, o criminoso foi trabalhar em uma fábrica de lentes. Lá, matou duas pessoas e fez outras 70 vítimas. Graham foi denunciado às autoridades por um colega de trabalho e condenado à prisão perpétua. Ele morreu na cela em 1990.

Fonte: Aventuras na História e Superinteressante

E aí? Você já conhecia alguma dessas histórias? O que achou dessas mini mentes perversas? Lembrou de mais algum caso que não abordamos aqui? Nos conte pelos comentários!

Comentários
Posts Relacionados