Esta prisão teve apenas um único preso por mais de 20 anos

Compartilhe

No geral, uma prisão tem capacidade para cerca de mil presos. Mas, imagina um presídio em que há apenas uma única pessoa cumprindo pena… Isso aconteceu na antiga Berlim Ocidental. Trata-se da Prisão de Spandau, que por mais de 20 anos teve um único ocupante: Rudolf Hess – o braço direito de Adolf Hitler.

Se interessa por História? Não deixe de ler também nossa matéria sobre os seis livros mais misteriosos guardados nas bibliotecas mais antigas do mundo.

Foto: Wimmedia Commons

Spandau foi construída em 1876 para ser um centro de detenção para militares alemães. Depois dos julgamentos de Nuremberg, após a Segunda Guerra Mundial, a prisão foi fechada para receber somente criminosos nazistas. Rudolf Hess foi o último dirigente vivo do Terceiro Reich.

Hess era um dos maiores aliados de Hitler, sendo chamado de “vice-führer” e “ministro sem pasta” nos anos 1930. Durante muito tempo, ele foi um dos nomes mais importantes do Partido Nazista e ficou no poder entre 1933 a 1941.

Quem foi Rudolf Hess?

Foto: Getty Images

Antes de entrar para a política, Rudolf Hess se alistou no exército alemão, no início da Primeira Guerra Mundial. Ele até mesmo chegou a receber a Cruz de Ferro, em 1915, por ter se ferido diversas vezes enquanto servia ao país. Pouco tempo depois, entrou para as forças armadas como piloto-aviador – mas nunca chegou a combater neste papel.

Em 1918, Hess deixou a força área e, no ano seguinte, ingressou na universidade como estudante de Economia em Munique. Foi quando ele conheceu Adolf Hitler, líder do nacional-socialismo alemão. Em 1925, Hitler o nomeou como o seu secretário particular e, em 1933, com a vitória dos nazistas nas eleições, lhe entregou a vice-liderança do partido.

Rudolf Hess permaneceu no cargo até 1941, quando decidiu fazer um voo solitário e descer de paraquedas em Glasgow, na Escócia, em uma tentativa de negociar um acordo de paz com a Grã-Bretanha. A missão – que aparentemente, não havia sido aprovada previamente pelos nazistas – falhou. Os líderes britânicos não aceitaram a proposta, e ele foi preso.

Nos julgamentos de Nuremberg, em 1946, Hess foi condenado à prisão perpétua por crimes contra a paz mundial. Por isso, passou os 40 anos seguintes na prisão de Spandau, em Berlim, sendo o último nazista atrás das grades até 1987.

Em 17 de agosto daquele ano, o homem que um dia foi o principal aliado de Hitler se enforcou aos 93 anos. Encontrado ainda com vida, Hess morreu no hospital militar britânico em Berlim Ocidental. Depois de sua morte, a prisão de Spandau foi destruída para evitar que se transformasse em centros de romaria por simpatizantes do regime.

Teorias da conspiração

Foto: Reprodução

Uma famosa teoria da conspiração dizia que Rudolf Hess teria sido substituído por um sósia em Spandau. A tese era alimentada pelo médico que cuidava dele na prisão, W. Hugh Thomas, que alegava que a aparência física do “Hess prisioneiro” era diferente das características do “Hess legítimo”.

O fato de que ele teria por muitos anos se recusado a receber visitas de sua família, e também sofrer de amnésia, fez com que o boato fosse se tornando cada vez mais popular.

No entanto, em 2019, essa teoria foi refutada por cientistas austríacos. Publicado na revista científica FSI Genetics, o estudo comparou amostras de DNA de um parente distante de Hess com amostras de sangue do prisioneiro. Os resultados apontaram que o último preso de Spandau era de fato o braço direito de Hitler.

O que achou desta história? Você já conhecia a Prisão de Spandau? Conta pra gente aí nos comentários!

Comentários
Posts Relacionados