Moeda gruda no braço com a vacina contra a COVID-19?

Compartilhe

Andam circulando nas redes sociais fotos e vídeos em que pessoas que já se vacinaram contra a COVID-19 aderem ao próprio braço moedas, colheres, celulares, entre outros. A ideia é defender a tese de que as vacinas seriam capazes de gerar um campo magnético no corpo das pessoas, funcionando como uma espécie de ímã.

Também não deixe de ler sobre como surgem as variantes da COVID-19.

Foto: Reprodução

Será que isso é uma verdade ou um mito? De acordo com uma checagem da agência EFE Verifica, essa história não passa de uma fake news. Nenhum dos imunizantes desenvolvidos contra o novo coronavírus apresenta componentes magnéticos em sua composição. A resposta imune do nosso corpo também não gera metais magnetizados.

Segundo a agência, para conseguir uma atração forte o suficiente para segurar um ímã na pele, seria necessário que as injeções contivessem uma grande quantidade de substância magnética. Porém, um “material magnético líquido” desse tipo seria tão denso que “não caberia nem mesmo através da agulha” da seringa.

Então, o que faz a moeda grudar no braço?

Para os especialistas, o que gera a adesão da moeda e dos outros objetos no braço é a própria umidade natural da pele. O mesmo efeito seria possível se essas pessoas tentassem grudar uma tampa de plástico no corpo. Por outro lado, se o braço estiver com um aspecto áspero ou seco, a sucção não acontece.

Fonte: G1 e Estadão

E aí? Você já sabia disso? Conta pra gente nos comentários!

Comentários
Posts Relacionados