O que foi a Queda da Bastilha que marcou o início da Revolução Francesa?

Compartilhe

Todo dia 14 de julho, os franceses saem às ruas para comemorar um dos dias mais importantes do ano. Nesse dia, em 1789, acontecia a Queda da Bastilha. A Bastilha era uma prisão considerada símbolo do Antigo Regime, e a sua tomada foi um momento decisivo na História mundial, marcando o início da Revolução Francesa e o fim de uma das monarquias mais poderosas da época.

Se interessa por fatos históricos? Então, leia também: O que foi a Revolução Constitucionalista que deu origem ao feriado de 9 de julho?

Foto: Reprodução

Antecedentes da Queda da Bastilha

Monarquia absolutista e divisão social

Quadro mostra imagem do rei francês Luís XVI. Foto: Divulgação/Museu Nacional do Palácio de Versalhes

A Queda da Bastilha simbolizou a insatisfação popular dos franceses contra o Antigo Regime. No final do século XVIII, a França possuía uma monarquia absolutista, na qual um rei, Luís XVI, concentrava todo o poder do Estado em suas mãos.

Além disso, a sociedade era dividida em três grandes grupos, conhecidos como “estados”. O Primeiro Estado correspondia ao clero francês, o Segundo Estado, à nobreza, e o Terceiro Estado, ao povo. Esse último representava a grande maioria da população.

O clero e a nobreza possuíam uma série de privilégios em relação ao Terceiro Estado, como terras cedidas pelo rei e a isenção de impostos. O povo, por sua vez, sustentava o luxuoso estilo de vida dos outros estados com impostos cada vez mais altos.

Crise Econômica

A França enfrentava uma grave crise econômica desde a década de 1770, agravada pela sua participação na guerra de Independência dos Estados Unidos. Com isso, a aristocracia decidiu cobrar mais impostos da burguesia e dos camponeses, isto é, do Terceiro Estado.

Para piorar a situação, um quadro de fome se espalhou pelo país após um período de colheitas ruins ente 1788 e 1789 e um inverno rigoroso. Isso aumentou o custo de vida da população, sobretudo, dos alimentos, e impulsionou a rebelião.

Estados Gerais e Assembleia Constituinte

Diante de toda essa situação, Luís XVI decidiu convocar um conselho conhecido como Estados Gerais. A ideia era reunir representantes das três classes e discutir soluções para encarar a crise.

A decisão tomada pelos Estados Gerais acontecia a partir de um voto por estado. Assim, o clero e a nobreza sempre tiravam proveito disso e se uniam para manter os seus privilégios. Daquela vez, no entanto, o Terceiro Estado propôs que a votação fosse realizada de maneira individual – pelo número de representantes de cada um.

Caso isso acontecesse, porém, os interesses do Primeiro e do Segundo Estado estariam ameaçados. Isso porque a burguesia poderia se unir com a nobreza liberal e com o baixo clero, e dessa forma, conseguir aprovar suas reformas.

Por isso, as propostas foram rejeitadas. O ministro das finanças, Jacques Necker, que apoiava a ideia, também foi demitido pelo rei.

Como reação, o Terceiro Estado rompeu com os Estados Gerais e criou a Assembleia Nacional Constituinte, a fim de formular uma nova constituição para a França. A ação recebeu intenso apoio das camadas populares de Paris.

A Queda da Bastilha

Foto: Getty Images

Enquanto o descontentamento do povo só aumentava, Luís XVI decidiu reunir tropas para sufocar o movimento. Mas, as atitudes do Terceiro Estado dava ao povo uma nova perspectiva política e possibilitaram o início de um levante popular. Vale destacar aqui a influência do Iluminismo sobre esses ideais.

Além da Assembleia Constituinte, a burguesia decidiu formar também o seu “próprio exército”, a Guarda Nacional. E com a intenção de conseguir armamentos, essa milícia foi em direção ao Hotel dos Inválidos – local que abrigava o arsenal das forças armadas francesas. E conseguiu o que desejava…

A pólvora, no entanto, era armazenada em outro lugar: na Bastilha. O local também era a prisão de inimigos políticos da monarquia. Por isso, representava o símbolo do poder absoluto do rei. Na época, havia apenas sete presos por lá.

No dia 14 de julho de 1789, os rebeliões atacam a Bastilha, cortam a cabeça de seu diretor e dão início a um movimento de grande agitação e mudanças que ficou conhecido como a Revolução Francesa.

Fonte: Brasil Escola e reVisão

E aí? Você já se lembrava desse fato que aprendeu na escola? Conta pra gente pelos comentários!

Comentários
Posts Relacionados