Quem é Pedrinho Matador, o maior “serial killer” do Brasil?

Compartilhe

O nome de Pedrinho Matador voltou à boca das pessoas depois que alguns internautas sugeriram que ele fosse atrás do assassino do Distrito Federal, Lázaro Barbosa de Souza.

Considerado o maior “serial killer” do Brasil, Pedro Rodrigues Filho é acusado de ter cometido mais de 100 homicídios e já foi condenado a 128 anos de prisão. Nesta matéria, você vai conhecer a trajetória de Pedrinho Matador.

Foto: Reprodução/TV Globo

Infância

Pedrinho Matador entrou para o crime ainda cedo. Em 1968, com apenas 13 anos, cometeu o seu primeiro assassinato. Após uma briga com o primo, Pedrinho o empurrou em uma máquina de moer cana-de-açúcar. Em seguida, terminou o serviço com um facão.

Um ano depois, ele matou o vice-prefeito de Alfenas, Minas Gerais, com uma espingarda que pertencia ao seu avô. O político havia demitido o seu pai, um guarda escolar que, na época, foi acusado de roubar merenda. Matador também assassinou um vigia, que ele acreditava ser o verdadeiro ladrão.

Após os crimes, Pedrinho fugiu para Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo. Lá, se envolveu com Botinha, a viúva de um líder do tráfico, e entrou para o comércio ilegal. Alguns relatos dizem que ela morreu executada pela polícia.

A prisão de Pedrinho Matador só aconteceu quando ele tinha 18 anos. Ele foi condenado, após matar 8 pessoas e deixar 16 feridas em uma festa de casamento. O motivo da chacina era vingar a morte da sua namorada, Maria Aparecida Olímpia, assassinada, por um rival na guerra do tráfico. Na época, a moça esperava um filho dos dois.

Prisão

Preso pela primeira vez em 1973, Pedrinho Matador ficou 34 anos encarcerado em presídios do Estado de São Paulo. Ele conseguiu liberdade em 2007, mas voltou à prisão 4 anos depois para cumprir mais duas penas, por acusações de motim e cárcere privado. Desde 2018, quando completou 64 anos de idade, passou a viver livre novamente.

Oficialmente, Pedrinho foi condenado a 128 anos de prisão pelo assassinato de mais de 70 pessoas. No entanto, ele mesmo alega ter matado mais de 100. Já matou na rua, no refeitório, na cela, no pátio e até no camburão. Só na cadeia, cerca de 50 presos morreram em suas mãos.

Uma das vítimas dessa matança foi o seu próprio pai. Ele havia matado a mãe de Pedrinho com 21 facadas e cumpria pena no mesmo presídio. Como vingança, Matador o esfaqueou com 22 golpes e arrancou um pedaço de seu coração, mastigou e cuspiu.

Foi por causa desses crimes que Pedro Rodrigues Filho ganhou o apelido de Pedrinho Matador ainda na cadeia. O que também contribuiu para isso foi a sua tatuagem no braço esquerdo: “Mato por prazer”.

Foto: Reprodução/TV Globo

Quem fim levou?

Foto: Reprodução

Desde que foi solto, em 2018, Pedrinho Matador largou a vida do crime. Após 42 anos na prisão, ele, que agora tem 66 anos, comenta crimes em vídeos no YouTube. Feito com a ajuda de um amigo, Pablo Silva, o canal, chamado “Pedrinho Ex Matador & Pablo Silvia ” já conta com mais de 128 mil inscritos.

Fonte: SBT, UOL e Superinteressante

 

 

Comentários
Posts Relacionados