Túmulo onde Jesus Cristo teria sido sepultado foi aberto em 2016. Saiba o que foi encontrado!

Compartilhe

Em 2016, o túmulo onde Jesus Cristo teria sido sepultado foi aberto pela primeira vez em quase cinco séculos. Naquele ano, uma equipe de pesquisadores da Universidade Nacional e Técnica de Atenas realizou trabalhos de escavação na câmera e encontrou algo surpreendente.

Se interessa por fatos históricos? Leia também sobre a Batalha das Toninhas: o trágico erro da Marinha brasileira durante a Primeira Guerra Mundial.

Foto: Reprodução

A tumba, localizada na Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, estava selada desde 1555. De acordo com a revista “National Geographic”, a operação foi realizada para que fossem colhidas informações para futuras pesquisas, bem como para dar início a um projeto de restauração do local.

Segundo a tradição cristã, Jesus Cristo foi colocado em uma espécie de “cama funerária”, após a sua crucificação entre os anos 30 ou 33 d.C. Ainda de acordo com a religião, um grupo de mulheres foi ungir o corpo três dias após o enterro, e não havia mais nada lá, pois Jesus havia ressuscitado.

Os trabalhos de escavação

Os trabalhos de restauração estavam sendo realizados dentro de uma pequena estrutura conhecida por Edícula, que protegia o “leito fúnebre”. Trata-se do local mais sagrado do Cristianismo. Ela havia sido reformada pela última vez em 1810, após um incêndio dois anos antes.

Primeiro, os arqueólogos retiraram a placa de mármore que revestia o túmulo e foram surpreendidos pela quantidade de material de enchimento que havia por baixo dela. Em seguida, se depararam com uma outra pedra, rachada ao meio, com uma gravura de uma cruz.

Após a remoção das duas camadas, os pesquisadores se surpreenderam ao encontrar, intocada, o que, acredita-se, que seja a superfície original de pedra onde o corpo de Cristo teria sido deixado.

A Edícula, que protege o leito onde o corpo de Jesus Cristo teria sido deixado. Foto: Wikimedia Commons

A construção da Igreja do Santo Sepulcro

No século II, o imperador romano Adriano ordenou que o local, indicado como a sepultura de Jesus, fosse aterrado e nele fosse construído um templo dedicado a deusa Vênus. Mais tarde, Constantino, o primeiro imperador cristão, derrubaria esse templo para fazer a primeira versão da Igreja do Sagrado Sepulcro.

Descobertas

De acordo com os relatos históricos, o túmulo que supostamente seria de Jesus foi encontrado pelos romanos por volta do ano 326 d.C. A data corresponde ao reinado de Constantino.

Ao longo dos séculos, a Igreja do Sagrado Sepulcro foi alvo de ataques violentos, incêndios e terremotos. Ela foi totalmente destruída em 1009 e, depois, reconstruída. Isso levou pesquisadores do mundo inteiro a se questionarem se seria possível lá realmente ter sido o lugar onde Jesus Cristo teria sido sepultado.

Em 2016, o estudo arqueológico mostrou que o túmulo nunca foi tirado do lugar, o que contradizia a teoria corrente até então de que ele teria sido transportado para outro ponto de Jerusalém com as reformas. Graças a análises químicas, os pesquisadores puderam concluir que era o mesmo daquele do século IV.

Os testes dataram meados de 345 d. C. Antes dessa descoberta, os pesquisadores acreditavam que o local tinha sido construído durante o período das Cruzadas, por volta do ano 1.000 d.C.

Fonte: O Globo, National Geographic e Revista Galileu

E aí? O que você acha dessas novas descobertas?

Comentários
Posts Relacionados