Vila Kalachi, o “Vilarejo do Sono”

Compartilhe

Durante 5 anos os moradores da Vila de Kalachi localizada no Cazaquistão sofreram com um surto de sono profundo que atingia as pessoas de repente e as fazia dormir por dias. Muitos habitantes contam histórias de que dormiram e acordaram depois de três ou mais dias sem se lembrar do que tinha acontecido, como é o caso de Victor Kazachenko. O jovem estava indo para uma cidade próxima da vila e enquanto dirigia a sua moto foi atingido por essa sensação de sono intenso e acabou caindo no sono no meio da estrada, ele conta que isso aconteceu em 28 de agosto, porém só acordou em 2 de setembro em um hospital sem saber o que tinha passado, como se tivesse tido um “apagão”.

Vilarejo vazio
Vila de Kalachi

Foi constatado que isso acontecia somente com algumas pessoas, enquanto umas eram completamente imunes a esse sono avassalador, outras chegaram a ter várias experiências como essa, já que os primeiros casos foram registrados em 2010 e uma solução só chegou à vila em 2015. Taisiya, por exemplo, foi acometida pela sonolência 3 vezes, em 2012, 2014 e em 2015 mas dessa última vez ela não chegou a cair no sono mas ficou perambulando pela cidade e falando coisas aleatórias por aí como se estivesse delirando. Além da sensação de tontura e pernas pesadas antes do sono profundo, era comum as pessoas acordarem contando histórias estranhas como se estivesse delirando durante o tempo de “coma”. Algumas são até engraçadas como um senhor de 60 que acordou imitando um galo, gritando e balançando os braços como asas e várias crianças que contam ter visto monstros ou os rostos desfigurados de suas mães.

Além disso, os casos aconteciam periodicamente e sempre no inverno ou na primavera e chegou a manter pessoas desacordadas por até 6 dias.

Nenhum médico ou cientista sabia explicar o porquê desses acontecimentos, foi então que surgiram várias teorias entre os habitantes, uma delas era de que a vila estava passando por uma maldição levando em conta que ela foi formada a 3km de Krasnogorsk, um povoado fantasma – cidade abandonada/desativada que ainda tem restos de sua estrutura no local – que tinha minas de urânio no seu território. Outros acreditavam que estavam sendo envenenados pelo governo para os obrigar a sair da cidade através da água, dos alimentos e até mesmo da vodka típica da região que chegou a ter sua fórmula estudada em laboratório pois foi considerada pelos cientistas como uma possível forma de contaminação. 

Os casos chegaram a atingir um quarto da população  da Vila de Kalachi, que era um total de 680 pessoas em 2014. No início de 2015 alguns dos moradores ao perceberem que uma solução não chegaria tão cedo, deixaram a vila assim que possível mas alguns ainda resistiram e se negaram a sair de lá.

Solução

Esse mistério só foi desvendado pelos pesquisadores no final do ano de 2015, quando o antigo diretor das minas de urânio desativadas do território mais próximo da vila se pronunciou. Em seu discurso, Victor Kryukov disse que era impossível esses acontecimentos estarem relacionados a presença de urânio no solo, afinal essa substância não causa nada parecido com isso e os testes de radiação que já haviam sido feitos na vila não tinham apontado altos níveis de radioatividade na água ou no ar. Ele explicou que o único motivo possível para os ataques de sono seria o Monóxido de Carbono que poderia estar exalando das minas.

Os pesquisadores voltaram às suas buscas para isso e constataram que Victor estava certo. Quando as minas foram desativadas e fechadas, em 1999 havia muita madeira que os mineiros usavam para estruturar o ambiente de trabalho que acabaram ficando lá dentro e depois de um tempo fechadas a água que antes era bombeada para fora das minas começou a encher toda a escavação. Com a madeira molhada se iniciou o processo de oxidação do material e então os níveis de monóxido de carbono e hidrocarbonetos subiram, fazendo com o que o nível de oxigênio no local chegasse a praticamente zero, isso facilitou ainda mais o vazamento do gás sonífero. Quase 20 anos depois de todo esse processo acontecendo no subsolo da Vila de Kalachi, em 2010, a substância atingiu a superfície e os moradores começaram a inalar o ar “contaminado”.

Imagem explicativa da região de Kalachi
A região em vermelho mostra o local onde ficavam as minas de Urânio

O monóxido de carbono é uma gás tóxico que quando é inalado, causa justamente os mesmo sintomas que o povo do vilarejo estava enfrentando: desmaio, sensação de confusão,dor de cabeça e até alucinações, como muitos relataram ter tidos “sonhos estranhos” quando acordaram. A curto prazo parece não ser algo tão perigoso mas a longa exposição à substância pode resultar em efeitos colaterais perigosos como problemas no coração e insuficiência respiratória, podendo até levar à morte. Por conta disso todos os moradores foram retirados do vilarejo e realocados para outros lugares próximos, hoje a vila já não é mais habitável e está à beira de se tornar uma cidade fantasma assim como Krasnogorsk.

O mais preocupante disso tudo é que hoje em dia nós estamos expostos a esse tipo de gás tóxico a todo momento, principalmente em cidades tão movimentadas como São Paulo afinal,  o monóxido de carbono é proveniente da queima de combustíveis fósseis, como por exemplo a gasolina, o diesel e até mesmo o gás natural (GNV). Isso quer dizer que além de ser muito ruim para o planeta, toda essa fumaça que quase todos os carros e ônibus que circulam ficam soltando por aí podem ser o motivo das dores de cabeças e stress diário bem comuns na nossa rotina, até mesmo durante a quarentena.

Pensando bem, até que seis dias seguidos de sono não seriam tão ruins, não é mesmo?

Comentários
Posts Relacionados