Você já ouviu falar sobre o Efeito Mandela?

Compartilhe

Já aconteceu de você ter certeza de que alguma coisa ocorreu, as pessoas até mesmo afirmaram que você estava certo, mas, na realidade, todos estavam errados? Isso tem nome: chama Efeito Mandela! Essa teoria tenta explicar as memórias falsas – as vezes que o cérebro tenta nos enganar…

Foto: Getty Images

Gosta de teorias da conspiração? Então, leia nossa matéria sobre a hipótese de que Michael Jackson estaria vivo.

Efeito Mandela

Fiona Broome é uma pesquisadora de fenômenos sobrenaturais e foi ela quem deu o nome para esse sentimento. Ela achava que Nelson Mandela – símbolo da luta contra o regime segregacionista do Apartheid na África do Sul – tinha morrido na prisão, durante a década de 1980. Só que o ano era 2010, e Mandela ainda estava vivo.

Até aí tudo bem… Confusões desse tipo são normais e acontecem o tempo todo. Até que, pouco tempo depois, Fiona foi a um evento e descobriu que outras pessoas também acreditavam que o líder sul-africano morrera nos anos 80. Mais do que isso: alguns também se lembravam de episódios de Jornada das Estrelas que jamais existiram. Foi aí que ela criou o Efeito Mandela.

Explicações

Em suas pesquisas, Fiona Broome se deparou com duas “explicações”, no mínimo, curiosas. Uma delas é a do multiverso – que diz que nós transitamos em várias realidades diferentes sem perceber. Nesses mundos, os fatos cotidianos aconteceriam de maneiras diferentes. Por isso, algumas pessoas teriam lembranças de coisas que aconteceram em um universo e talvez não em outro. Assim, Nelson Mandela poderia mesmo ter morrido nos anos 80 em outra realidade.

Uma outra explicação aponta que, na verdade, tudo não passaria de uma grande simulação, assim como acontece no filme “Matrix” (1999). E essas falsas memórias seriam como se fossem bugs – falhas digitais. Existem cientistas de verdade que não descartam a ideia de que nós estaríamos vivendo em um universo simulado. É o caso do astrofísico Neil deGrasse Tyson.

Vamos testar se você já foi afetado (a) pelo Efeito Mandela

KitKat

Lembra do chocolate KitKat? Muito provavelmente, você também achava que o nome tinha um hífen entre “Kit” e “Kat”, não é? Pois é, não tem.

Foto: Reuters

“Espelho, espelho meu…”

Você, com certeza, já ouviu a frase “Espelho, espelho meu, existe alguém mais bela do que eu”?. Mas, sabia que ela nunca apareceu no clássico filme “A Branca de Neve”, de 1937? O texto correto, na verdade, é o texto correto é “Fala, mágico espelho meu”.

Embora a primeira fala apareça no conto original dos irmãos Grimm, ela é comumente associada à adaptação da Disney e sempre esteve muito clara em nossa memória.

Foto: Reprodução/Disney

Rabo do Pikachu

Se te perguntassem: “Qual a cor do rabo do Pikachu, de Pokémon?”, o que você responderia? Muitas pessoas acreditam que o rabo da personagem tem uma faixa preta no final de seu comprimento. No entanto, isso não é verdade: a cauda do Pikachu é inteiramente amarela.

Foto: Reprodução

Dragon Ball Z e o 11 de setembro

Muitas pessoas lembram de estar assistindo Dragon Ball Z quando tiveram sua programação interrompida pela TV Globo para a transmissão do plantão sobre a queda das Torres Gêmeas. No entanto, quando a tragédia ocorreu, a exibição do desenho sequer tinha começado, de acordo com o site NaTelinha.

Dragon Ball Z entraria no ar às 11h30 da manhã, mas, assim que o ataque foi reportado, pouco após as 9 horas, o canal cancelou a programação para dar destaque à cobertura da tragédia.

Foto: Reprodução

Shazaam

Algumas pessoas que cresceram durante a década de 1990 podem jurar que assistiram ao filme “Shazaam”, em que um gênio, interpretado pelo comediante Sinbad, é descoberto por duas crianças. Assim, a história cresceu tanto que o artista precisou vir a público para negar a existência do longa.

Acontece que, no ano de lançamento do suposto filme, o ex-jogador de basquete Shaquille O’Neal estrelou “Kazaam”, cujo roteiro era extremamente parecido.

Foto: Reprodução

Fonte: Superinteressante e Editora Intrínseca

Comentários
Posts Relacionados